CACE - Centro de Análises Clínicas Especializadas

Atendimento ao cliente
89 3521 1023 / 99985 1616
Atendimento ao médico
89 3521 2769 / 99985 1680
Inicio > Exames
Exames

11-DESOXICORTICOSTERONA (DOCA)    

Material:     Soro congelado

Sinônimo:     

Volume:     3,0 mL

Método:     Radioimunoensaio

Volume Lab:  3,0 mL

Rotina:          Diária   

Resultado:     45 dia(s)

Temperatura: Congelado

Coleta:     Coletar o soro enviar 3,0 mL de congelado.

Interpretação:     USO: Útil na avaliação de deficiência da enzima 11-beta-hidroxilase (congênita, tumoral ou medicamentosa). A deficiência de 11-beta-hidroxilase deve ser suspeitada em pacientes com níveis basais aumentados de 11-desoxicortisol ou níveis aumentados de 11-desoxicortisol após estímulo com ACTH em pacientes com quadro de virilizarão associado ou não à hipertensão arterial. O 11-desoxicortisol é precursor imediato na síntese do cortisol. Níveis elevados são encontrados na deficiência da enzima 11-beta-hidroxilase, responsável pela transformação de 11-desoxicortisol em cortisol, e em alguns carcinomas adrenais. Níveis diminuídos são encontrados na deficiência da 21-alfa-hidroxilase. Nos defeitos enzimáticos completos da 11-beta-hidroxilase observamos, além do aumento do 11-desoxicortisol, o aumento do ACTH, da 17hidroxigesterona, da desoxicorticosterona (doca), dos androgênios (androstenediona e testosterona) e diminuição do cortisol da atividade de renina plasmática e da aldosterona. Defeitos parciais de síntese podem ser demonstrados pelo teste de estímulo com ACTH.

Referência: Adultos: 40 - 170 pg/mL

Intervalos de referência de acordo com a idade e fases da puberdade:
Idade          Menino (pg/mL)       Menina (pg/mL)
< 1 ano           70 - 520             70 - 570
1 - 5 anos        43 - 160             40 - 490
6 - 12 anos       20 - 130             60 - 340
P2 - P3*          20 - 130             40 - 300
P4 - P5*          50 - 130             50 - 140

*Classificação de Tanner(CT)

CT            Menino                Menina
P2        9-15(média:12-13)    8-14(média:11-12)
P3       11-16(média:13-14)   9-15(média:12-13)
P4       11-17(média:14-15)  10-16(média:13-14)
P5       14-18(acima de 16)   12-19(acima de 16)

11-DESOXICORTISOL - COMPOSTO S

Material:     Soro congelado ref

Sinônimo:   11-Desoxicortisol, Composto-S
    
Volume:      2,0 mL

Método:      Radioimunoensaio
    
Volume Lab:  1,0 mL

Rotina:           Diária

Resultado:     48 horas

Temperatura:     Congelado

Coleta:     O soro deve ser colhido pela manhã, de preferência entre às 7 e às 9 horas. Anotar uso de medicamentos, em especial, glicocorticóides.

Interpretação:     Uso: avaliação da reserva hipotalâmica - adrenal - pituitária (com uso de metirapona); diagnóstico diferencial da síndrome de Cushing; diagnóstico de hiperplasia adrenal congênita por deficiência de p-450c11 hidroxilase. O 11-desoxicortisol é o precursor imediato do cortisol (transformado pela ação da p-450c11-hidroxilase, ao nível adrenal). Níveis basais elevados são associados à diminuição da função desta enzima, seja primária ou secundária. A metirapona inibe seletivamente a enzima, e esta propriedade é explorada na avaliação da capacidade hipotalâmica - adrenal - pituitária. Fisiologicamente, com a queda nos níveis de cortisol, a pituitária secreta ACTH, que tem por função, entre outras, estimular a adrenal a sintetizar mais 11-desoxicortisol. Este, por não ter atividade hormonal, não inibe a secreção pituitária de ACTH. Em indivíduos com função normal deste eixo endócrino, o estímulo com metirapona ocasiona níveis cerca de 100 vezes mais elevados que o nível basal de 11-desoxicortisol. É recomendada a determinação paralela do cortisol para verificar a eficácia da dose de metirapona para inibição enzimática. Em casos de insuficiência adrenal (o teste não é capaz de diferenciar primária de secundária) os níveis de 11-desoxicortisol não aumentam na quantidade esperada enquanto que os níveis de cortisol diminuem a quase zero. Em pacientes com síndrome de Cushing, a resposta a metirapona pode auxiliar na diferenciação entre hiperplasia adrenal e atividade tumoral (em pacientes com hiperplasia adrenal ocorre uma resposta muito grande, enquanto que em tumores isto não acontece, embora isto não ocorra em 100% dos casos).

Referência:   Sem estímulo: Inferior a 7,2 ng/mL
                      Pós estímulo: 72 a 255 ng/mL


Material: papel filtro - sangue

Sinônimo: 17 OHP NEO

Volume: Preencher os circulos do Papel Filtro

Método: Imunofluorimétrico

Volume Lab: Gotas de sangue embebido em papel filtro

Rotina: Diária

Resultado: 9 dia(s)

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Sangue total em papel filtro (Schleicher & Schuell) vazada nos dois lados do papel. Preencher totalmente os quatro círculos. Deixar secar a gota e envolver em papel alumínio.

Interpretação: Usada para triagem da Hiperplasia Adrenal Congenita (HAC) no Teste do Pezinho. A HAC apresenta um amplo espectro de incidência variando com o deficit enzimático específico. Cerca de 90 a 95% dos casos de HAC são devidos à deficiência da enzima 21-hidroxilase (21-OH), o que acarreta níveis elevados de 17 alfa-hidroxiprogesterona (17-OHP). Incidencia no Brasil: 1:7500 nascidos vivos. O objetivo primordial da triagem é a detecção da forma clássica perdedora de sal. A possibilidade de encontrarmos valores falso-positivos ocorre principalmente em prematuros, recem-nascidos com baixo peso ao nascer e em crianças com doenças intercorrentes. A qualidade da coleta pode interferir nos resultados. A possibilidade de falso-negativo deve sempre ser considerada devido ao espectro clinico-laboratorial da HAC, sendo mais frequente em amostras colhidas nas primeiras 24 horas de vida. A Academia Americana de Pediatria sugere que o teste deva ser coletado até o 7o dia de vida da criança. Para os valores de referência abaixo, a sensibilidade desse teste é próxima a 100% com a especificidade maior que 99%.

Referência:     
Recém nato a termo: Até 10,0 ng/mL
Recém nato prematuro: Até 15,0 ng/mL

Prazo para entrega de resultado: 7 dias. Exame enviado para laboratório de apoio.


Sinonímia: 17 OHP, 17 OH progesterona, 17 hidroxiprogesterona

Material: Soro

Tempo de Jejum: Jejum Desejável de 4 horas.

Método: Enzimaimunoensaio

Volume Lab: 1.0 mL

Rotina: Diária

Resultado: 15 dia(s)

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Jejum de 8 horas. Em mulheres adultas, anotar dia do ciclo menstrual.

Interpretação:     Uso: diagnóstico da Hiperplasia Adrenal Congênita, deficiência da 21-hidroxilase, diagnóstico de hirsutismo e infertilidade feminina; monitoramento terapêutico. A 17 - alfa - hidroxiprogesterona (17-OHP) é um esteróide intermediário na biossíntese do cortisol. Valores aumentados: hiperplasia adrenal congênita (genitália ambígua nas meninas e macrogenitossomia nos meninos), em alguns casos de neoplasias adrenais ou ovarianas. Valores diminuídos: pseudohermafroditismo masculino, doença de Addison, tratamento com esteróides (cortisona, hidrocortisona). Alguns casos de deficiência de 21 - hidroxilase de início adulto podem resultar em valores basais normais da 17 - alfa - hidroxiprogesterona, sendo encontrados aumentos exacerbados com o estímulo por ACTH

Referência:     
Recem nascido:
5 - 30 dias:         70,0 a 250,0 ng/dL
31-60 dias (menino): 80,0 a 500,0 ng/dL
31-60 dias (menina): 50,0 a 230,0 ng/dL
Crianças:
3-14 anos:           7,0 a 170,0 ng/dL
Homens:              59,0 a 344,0 ng/dL
Mulheres:
Fase folicular:      20,0 a 130,0 ng/dL
Fase lútea:          100,0 a 450,0 ng/dL
Pós-menopausa:       20,0 a 90,0 ng/dL

ATENÇÃO: Alteração do valor de referência e da metodologia a partir de 22/06/2015.

Valores de referência antigos:
Mulheres:
Fase folicular:      11,0 a 108,0 ng/dL
Fase lútea:          95,0 a 500,0 ng/dL
Gravidez:
Primeiro trimestre:  250,0 a 978,0 ng/dL
Segundo trimestre:   340,0 a 850,0 ng/dL
Terceiro trimestre:  453,0 a 1886,0 ng/dL
Pré Pubere:
1 a 6 meses:         13,0 a 173,0 ng/dL
6 meses a 1 ano:     11,0 a 173,0 ng/dL
1 a 11 anos:         10,0 a 139,0 ng/dL

Sinônimo:     Estradiol
    
Volume:     1,0 mL

Método:     Enzimaimunoensaio

Volume Lab:     1,0 mL

Rotina:     Diária

Resultado:     25 dia(s)

Temperatura:     Congelado

Coleta:     Enviar saliva congelada. Segue Procedimento de coleta: - Abrir o Salivette® e remover o swab - Colocar o swab na boca estimulando a salivação - Manter o swab durante 3 minutos ou o tempo necessário para sentir que está saturado de saliva - Retornar o swab para a posição inicial no Salivette® e fechar firmemente - Centrifugar por 2 minutos e transferir a saliva para o tubo de transporte/alíquota Alvaro (tubo padrão) - O volume mínimo necessário de saliva é 1,0 mL.

Interpretação:     

Referência:     
Homens:
21-30 anos: 2,71 a 4,75 pg/mL
31-40 anos: 1,01 a 4,15 pg/mL
41-50 anos: 1,00 a 4,63 pg/mL
51-60 anos: 0,88 a 4,09 pg/mL
61-75 anos: 1,33 a 4,39 pg/mL
Mulheres(21- 50 anos):
Fase folicular: 1,29 a 7,76 pg/mL
Metade do ciclo: 3,79 a 16,05 pg/mL
Fase lútea: 1,22 a 8,43 pg/mL
Mulheres(51- 75anos):
Pós-menopausa: 0,56 a 4,39 pg/mL
*Fonte: Bula do fabricante

Material:     Urina 24 horaS

Sinônimo:     

Volume:     20,0 mL

Método:     Cromatografia de Troca Iônica

Volume Lab:     10,0 mL

Rotina:     Diária

Resultado:     15 dia(s)

Temperatura:     Congelado

Coleta:     Coleta de urina 24 h. Misturar as amostras e anotar volume final. Enviar alíquota de no mínimo 20,0 mL. Coletar a urina de 24 horas (vide instrução de coleta) Misturar e enviar aliquota para teste ( 50,0 mL). Registrar o volume coletado. Frascos com HCl 50% (20 mL) por litro

Interpretação:     

Uso: teste utilizado para diagnóstico de função adrenal e testicular em homens. Valores aumentados: carcinomas adrenais, uso de ACTH, tumores testiculares, síndrome de Cushing, síndrome adrenogenital, arrenoblastoma e tumor uterino do ovário (se androgênico), stress agudo, terceiro trimestre de gravidez, administração de testosterona, cromógenos urinários não específicos. Valores diminuídos: doença de Addison, pan-hipopituitarismo, hipotireoidismo, nefrose, hipogonadismo masculino, agenesia ovariana primária.

Referência:     
Crianças(até 8 anos): 0 a 3,5 mg/24h
Homens:               8 a 26 mg/24h
Mulheres:             6 a 20 mg/24h
*Fonte: Bula do fabricante

Material: Soro congelado

Sinônimo: 17-OH-Pregnenolona, Delta-5-17-OH-Pregnenolona

Volume: 2,0 mL

Método: Cromatografia Líquida/Espectrometria Massas (LC/MS-MS)

Volume Lab: 2,0 mL

Rotina:     

Resultado: 30 dia(s)

Temperatura: Congelado

Coleta: Jejum recomendado, porém não obrigatório.Coletar sangue total sem anticoagulante em 1 tubo Soro-Gel ou com Ativador de Coágulo. - Aguardar 30 minutos e centrifugar a amostra. - Enviar no mínimo 1,0 mL de soro congelado. - Para solicitações de curva de 17-hidroxi pregnenolona após administração de ACTH sintético (cortrosina simples), cadastrar cada tempo em uma ordem de serviço (OS) diferente.

Interpretação: A 17-alfa-hidroxipregnenolona é um esteroide C21 formado pela hidroxilação da pregnenolona na posição C17 alfa. A maior parte da pregnenolona circulante é de origem do córtex adrenal. Este ensaio é útil no diagnóstico da hiperplasia adrenal congênita por deficiência das enzimas 17-alfa-hidroxilase (CYP17A1) ou 3-beta-hidroxiesteroide desidrogenase (HSD3B2). Em pacientes com hiperplasia adrenal congênita por deficiência da 17-alfa-hidroxilase, os níveis de 17-alfa-hidroxipregnenolona estarão aumentados. Enquanto que, por deficiência da 3-beta-hidroxiesteroide desidrogenase, os níveis de 17-alfa-hidroxipregnenolona estarão diminuídos. Níveis moderadamente aumentados são observados na Síndrome de Cushing ACTH-dependente.

Referência:     
Idade           Meninos (ng/mL)   Meninas(ng/mL)
1 - 5 meses     2,29 - 31,04      2,29 - 31,04
6 - 1 anos      2,11 - 19,81      2,11 - 19,81
1 - 2 anos      0,35 - 7,12       0,35 - 7,12
3 - 6 anos      0,16 - 2,76       0,16 - 2,76
7 - 9 anos      Inferior a 1,87   Inferior a 2,12
10 - 12 anos    Inferior a 3,92   Inferior a 3,98
13 - 17 anos    0,32 - 4,78       Inferior a 4,23
Homens:         Inferior a 4,42 ng/mL
Mulheres:       Inferior a 2,26 ng/mL


Material: Urina 24 horaS

Sinônimo: 17-Hidroxicorticosteróides

Volume: 20,0 mL

Método: Cromatografia de Troca Iônica

Volume Lab: 10,0 mL

Rotina: Diária

Resultado:  15 dia(s)

Temperatura:  Refrigerado

Coleta:  Coleta de urina 24 h. Misturar as amostras e anotar volume final. Enviar alíquota de no mínimo 20,0 mL.

Interpretação:  Uso: teste de função adrenocortical; avaliação da produção de glicocorticóides e função neuroendócrina, função testicular e adrenal e da secreção androgênica adrenal em mulheres. Metabólitos urinários de glicocorticóides podem ser mensurados por 17-KS e 17-OH. Valores aumentados: síndrome de Cushing, stress significativo, síndromes adrenogenitais (deficiências de 11 e 21 hidroxilase). Valores diminuídos: doença de Addison, hipopituitarismo, cretinismo. Interferentes: acetazolamida +, colchicina +, digitálicos +, eritromicina +, hidroxizina +, menadiona +. As amostras devem ser corretamente coletadas em seus volumes e tempos.

Referência:     
Homens:   3 a 12 mg/24h
Mulheres: 2 a 8 mg/24h


Observação: Eventualmente o resultado de um exame pode não sair no dia e horário previsto por necessidade de repetição técnica, por falta de energia elétrica, por pane no equipamento que requeira uma manuntenção corretiva, por contaminação no reagente utilizado na analise laboratorial entre outros.
Exame enviado para laboratório de apoio.

Material: Soro congelado

Sinônimo:     

Volume: 2,0 mL

Volume Lab: 1,0 mL

Método: Cromatografia Líquida de Alta Resolução (LOINC®: HPLC)

Rotina:     

Resultado: 5 dia(s)

Temperatura: Congelado

Coleta: Coletar o soro enviar no mínimo 1,0 mL.

Interpretação:     

Referência:     
Adultos:
Em repouso: 12 a 55 ng/dL
Após atividade física: 23 a 145 ng/dL
Após estímulo com ACTH:
Prematuros:
Recém-nascidos:
Crianças:
1 mês - 1 ano: 5 a 220 ng/dL
1 ano - 2 anos: 18 a 155 ng/dL
2 anos - 15 anos: 6 a 85 mg/dL

Material: urina do final da jornada de trabalho

Sinônimo:     

Volume: 20,0 mL

Método: Cromatografia gasosa

Volume Lab: 20,0 mL

Rotina: Diária

Resultado: 5 dia(s)

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Coletar a urina, se não for realizado o exame no mesmo dia, manter a amostra refrigerada e bem vedada.

Interpretação:     Uso: na monitoração da exposição tóxica ao n-hexano, solvente de colas, polidores, tintas e outros (utilizados em indústrias farmacêuticas, têxteis e em geral). Valores aumentados: ação tóxica do n-hexano, clinicamente apresentada com neuropatia periférica, distonia muscular e perda de sensibilidade tátil. Deve-se preferencialmente coletar a amostra no final do expediente do último dia trabalhado na semana.

Referência:
IBMP*: até 5,0 mg/g de creatinina para exposição ao n-hexano.
Até 4,0 mg/g creatinina para exposição a metil-n-butil cetona.
*Índice Biológico Máximo Permitido (NR-7,1994,MTE)

Metodologia desenvolvida e validada pelo laboratório de acordo com a RDC 302 de 13/10/2005, Art.5.5.5.1.

Resultados On-line

Clínicas / Laboratórios / Médicos / Pacientes

Unidades de atendimento

Laboratorio CACE

Praça Idelfonso Ramos - 1155, Manguinha

Floriano / PI - CEP: 64800-000

89 3521 1023
Newsletter

Assine nossa newsletter

Receba informações por e-mail

Atendimento

Laboratório CACE

Praça Idelfonso Ramos - 1155, Manguinha

Floriano / PI - CEP: 64800-000

89 3521 1023